Copa: 10 restaurantes imperdíveis em 10 países – minha coluna na Glamour de junho

Brasil: Remanso do Bosque, em Belém. Sem dúvidas uma das experiências gastronômicas mais memoráveis que já vivi, morro de vontade de voltar para Belém para comer de novo o peixe Filhote na brasa, os cubinhos de tapioca e as sobremesas incríveis!

França: o que poderia ser mais icônico que jantar no alto da torre Eiffel? E não pense que é um restaurante daqueles meio mais ou menos que só se aproveitam da locação: o Jules Verne, do estrelado chef Alain Ducasse, tem comida e serviço impecáveis, mais a vista de tirar o fôlego. Dica: reserve para jantar cedo, assim você aproveita o visual tanto de dia, quando à noite.

Dinamarca: um dos países mais incensadora no mundo da gastronomia, e não é para menos – o Noma, número 1 do mundo, fica lá. Mas minha dica é o Geist, que tem cardápio incrível com muitas opções interessantes de pratos com vegetais e legumes (os dinamarqueses arrasam nessa seara!), e um ambiente agradabilíssimo com terraço cheio de plantas. Legal para almoçar, também fica super animado à noite.

México: falando em Dinamarca, minha dica por lá é o Arca, na charmosíssima Tulum, comandado pelo chef mexicano e ex-Noma Jose Luis Hinostroza. Não se deixe enganar pela locação rústica e atmosfera relax: os pratos são um primor, bem como os drinks de Mezcal!

Inglaterra: a cidade que escolhi para morar tem inúmeras opções de restaurantes incríveis, para todos os gostos, bolsos e moods. Um lugar que sempre indico para quem vem visitar é o Wolseley, tradicional sem ser “velho”. É lindo e grandioso e boa pedida a qualquer hora, do café da manhã a um jantar tarde da noite (é dos raros lugares na cidade que ficam abertos até meia noite!

Portugal: difícil a missão de escolher apenas um restaurante em Portugal, especialmente em Lisboa, onde há tantas ótimas opções. O Mar do Inferno, em Cascais (15 minutos de comboio, o metrô local, de Lisboa), é imperdível: vista para o mar e todo tipo de arroz delicioso que você puder imaginar!! Sem falar nos Percebes, fruto do mar que é uma iguaria local… Eu amo!

Menção honrosa – Itália: inacreditável uma Copa do Mundo sem a Itália, mas esse ano será assim. Mas como é meu país favorito no mundo para comer, ganha menção honrosa na coluna! A dica é o Conca del Sogno, que fica na Costa Amalfitana. Dá para chegar de carro ou de barco, saindo de Capri, o que já vale o passeio, e ficar tomando sol antes de sentar para almoçar. Prepare-se para se esbaldar na pasta com vongole e nos peixes frescos, e não deixe de tomar o Limoncello no final.

Marrocos: há diversos lugares em Marrakesh para degustar da deliciosa culinária local – sou louca por cuscuz marroquino! Um que tem espaço no meu coração é o Dar Moha, não apenas pela comida, mas a experiência como um todo: o restaurante fica na casa que foi do estilista Pierre Cardin (amo lugares com história), e almoçar no terraço, fresquinho e cheio de plantas, é uma delícia.

Rússia: Quando estive em Moscou pedi algumas dicas para um amigo que mora na cidade, e o briefing foi: lugares jovens e descolados. Porque os tradicionais são fáceis de encontrar na cidade, e eu queria conhecer os points frequentados pelos locais “na vida real”. O Uilliam’s foi uma dessas recomendações, e gostei tanto no almoço que quase voltei no jantar! Arejado, com almofadas para sentar do lado de fora, ele também fica super badalado à noite, e a região é bem legal para explorar.

Austrália: Bondi Beach, em Sydney, é um dos cartões postais da Austrália, e almoçar no North Bondi Fish é uma das melhores maneiras de viver o lifestyle local. Com terraço e vista para a praia, tem cardápio com opções leves e deliciosas para compartilhar – os peixes e os pratos vegetarianos são deliciosos. Cheio de gente linda, também é ótima pedida para um drink no por do sol.