Restaurantes em Londres: meus eternos favoritos

Nos meus quase seis anos morando em Londres, já pude conhecer inúmeros restaurantes incríveis. É difícil DEMAIS, numa cidade tão vibrante, enorme e cheia de opções como Londres, fazer lista de favoritos — por isso que esse post demorou tanto a sair —, mas já era mais que hora de eu compartilhar com vocês meus eternos favoritos. Aqueles lugares que não ficam velhos, que sempre vou amar, e que sempre vou indicar para amigos que me pedem dicas, sendo essa a primeira ou vigésima viagem deles para a cidade. 

Antes de começar, é importante frisar que Londres é um mundo hiper plural, onde você pode encontrar lugares mega chiques (se chegar de traje de gala ninguém vai nem estranhar), lugares mega hipsters descolado “podrinhos” e tudo que está entre esses dois extremos. É uma das coisas que mais amo na cidade, esse leque de opções, mas vale sempre entender qual a vibe do lugar (até para decidir a roupa, Londres tem restaurantes bem formais onde não se pode usar jeans ou precisa de paletó para homens, por exemplo) — e normalmente o bairro onde está o restaurante dita o estilo. Nesse post aqui tem um roteirinho dos bairros onde falo mais sobre a vibe de cada um. 

. Cecconi’s: Italiano sempre maravilhoso, provavelmente o restaurante que mais já fui em Londres, porque é “total flex” como gosto de falar: bom no café da manhã, no almoço e no jantar, bom para fazer date night com o marido, para ir em família, para ir com amigos. Ainda tem uma ENORME vantagem: fica aberto até tarde para os padrões de Londres!

. The Wolseley: Uma verdadeira instituição londrina, esse belo restaurante também é total flex — café da manhã, almoço, jantar, chá da tarde… tudo é bom aqui! E o lugar é lin-do. Must go.

. Scott’s: Seguindo nas instituições, esse restaurante em Mayfair é mega famoso por seus peixes e frutos do mar. Amo.

. La Petite Maison: Uma delícia para almoços longos com amigos, adoro a comida com influência francesa num esquema para compartilhar.

. 34 Mayfair: É do mesmo dono do The Wolseley, um grupo que tem vários restaurantes ótimos. Lugar bem bacanudo e famoso pelas carnes (e pelos clientes famosos como Kate Moss e Tracey Emin).

. The Ivy: Sim, mais uma instituição de Londres! Hoje em dia tem vários espalhados pela cidade, mas os que eu mais amo são o original do Soho (boa opção para jantar antes de ir ao teatro) e o Ivy Chelsea Garden na Kings Road, que tem um jardim lindíssimo.

. Chiltern Firehouse: Hotel e restaurante do mesmo dono do icônico Chateau Marmont em Los Angeles, virou hit imediato assim que foi inaugurado há alguns anos. O restaurante tem um cardápio interessante e não óbvio, e se estiver dia bonito vale sentar no terraço que é uma delícia. O bar é maravilhoso, mas bem chato de entrar — falei dele no post de bares em Londres que entra em breve.

. Isabel e Casa Cruz: Do mesmo dono do restaurante Casa Cruz em Buenos Aires, os dois são relativamente novos, mas de cara viraram badalados e super queridinhos porque tem um mix de ambiente lin-do, comida ótima em estilo compartilhar e com pegada argentina, e são animadinhos. O Casa Cruz fica em Holland Park, um bairro mais residencial, e o Isabel fica em Mayfair e tem uma parte embaixo que no fim de semana vira baladinha e um dos banheiros mais instagramáveis de Londres.

. Sketch: Falando em ambientes instagramáveis… O Sketch foi pioneiro nisso, quando nem existia Instagram, mas a sala toda rosa millenial decorada por India Mahdavi é um TOTAL hit, bem como o banheiro com casulos que parecem ovos gigantes ou naves espaciais. O cardápio é estilo inglês.

. Berners Tavern: O restaurante do hotel The Edition é mais um que ganha mil pontos pelo ambiente deuso, com pé direito alto e montes de quadros pendurados na parede. O café da manhã é uma delícia e o cardápio para almoço e jantar tem uma pegada mais inglesa.

. Rules: Falei de muitos lugares tradicionais, mas é impossível bater o Rules: simplesmente o restaurante mais antigo de Londres, aberto ininterruptamente há 221 anos. Não tem experiência mais “Londres raiz” do que almoçar ou jantar lá.

. Cut 45 Park Lane: Se você quiser comer uma carne espetacular e não tiver restrição de budget, esse é o lugar. Do chef americano Wolfgang Puck, famoso por ser o melhor no assunto. 

. Le Boudin Blanc: Um francês bem delicinha que fica numa área fofa de Mayfair cheia de restaurantes onde só passa pedestre. Quando me dá desejo de comer comida francesa tradicional, é lá que eu vou…

. La Poule au Pot: Ou vou nesse! Fica em Belgravia, um bairro muito fofo, tem uma decoração super aconchegante, meio caseira, e comida maravilhosa. 

. Scalini: Tenho alguns italianos favoritos em Londres, e esse é um deles. Nunca é ruim, sempre é agitado, adoro.

. C London: Para quem é fã do Cipriani, alerta: por problemas de registro de marca (nunca entendi a confusão), em Londres não podem usar o nome, mas o C London, pertinho do Claridge’s, é o Cipriani local! Italiano impossível de errar.

. Osteria Basilico: Em busca de um italiano mais casual, mas que tem seu charme? Adoro esse, que fica em uma esquina em Notting Hill e é bem gostoso.

. Bob Bob Ricard: Gosto para ocasiões especiais, porque a decoração é incrível, bem art deco, com direito ao famoso botão “press for champagne” em todas as mesas.

. Zuma: Japonês ótimo e bem famoso, mais perua. Sou louca pelo tartar de atum e salmão que eles fazem.

. Roka: É o japonês filhote do Zuma, mais casual, e também conhecido por suas opções de robata, os grelhados no estilo japonês.

. Polpo: Esse restaurante bombou em Londres e hoje em dia tem várias unidades, mas continua uma ótima pedida. No estilo tapas italianos para compartilhar, come-se muito bem e é mais casual.

. Granger & Co: Outro que tem várias unidades, mas é ótima pedida — do celebrado chef australiano Bill Granger, o original de Notting Hill bomba no café da manhã (tipo fila na porta) e também é bem gostoso para almoçar. Todos são bonitinhos e mais casuais.

. Barrafina: Se quiser comer tapas deliciosos, o Barrafina é sucesso garantido. Está sempre cheio e funciona no esquema só balcão (então não recomendo para grupos grandes).

. Fischer’s: Quando quero comer schnitzel, o frango à milanesa que é o prato mais tradicional da Áustria, corro para cá. Essa brasserie de estilo vienense também é dos mesmos donos do The Wolseley e fica em Marylebone numa área onde adoro passear.

. Clarette: Uma gracinha esse restaurante que também fica em Marylebone, e tem um cardápio de tapas franceses para comer no estilo compartilhado. Trunfo incrível é a carta de vinhos — a dona é da família que produz o famoso Chateau Margaux, então ela tem acesso a rótulos incríveis que você não encontra em qualquer canto.

. Chicken Shop: Ultra casual, serve apenas frango assado (aquele de televisão, super infância) com alguns acompanhamentos (sou louca pelo milho). Adoro almoçar aqui quando quero algo simples e com preço bom, tem em Holborn, St John’s Wood e alguns outros lugares, sendo que alguns deles são junto com outro restaurante da rede especializado em hambúrguer, o Dirty Burger.

. Honest Burger e Patty and Bun: Quando mudei para Londres achava difícil encontrar um lugar para comer hambúrguer no estilo americano, mas hoje em dia esse problema não existe mais. Para mim, os melhores lugares de hambúrguer em Londres são esses dois — hiper casuais, algumas unidades espalhadas pela cidade, deliciosos.

. The Ned: Um complexo de hotel e members club com vários restaurantes no térreo, é um lugar super legal de conhecer. Fica na City, o centro financeiro de Londres, onde já funcionou a sede de um banco. O lugar é lindo, fica bem animado fim de tarde / à noite, e tem várias opções de restaurantes num mesmo ambiente.

* Vou atualizar este post de tempos em tempos com novos lugares para ficar sempre atual.